Complexo de Édipo, horda primitiva e Mitologia

edipo

A argumentação de Freud sobre o Complexo de Édipo e a horda primitiva pode ser corroborada pela Mitologia.

Cronos e a horda.

Na Mitologia temos Cronos, filho mais novo de Urano tomando seu lugar. Ele corta o falo do pai e toma seu lugar como novo Senhor. Na horda primitiva geralmente era o filho mais novo que tomava o lugar do pai, macho dominante, quando este ficava mais velho e fraco.

Cronos pai e passou a engolir todos os filhos para garantir que não fosse ameaçado por eles. Isto é, para evitar que os filhos fizessem com ele a mesma coisa que ele havia feito com seu pai.

Zeus e o totemismo.

Se Cronos nos remete à horda primitiva, seu filho Zeus nos mostra a união dos irmãos e o surgimento de uma nova ordem social. Os filhos juntos são mais fortes que o mais forte.

Zeus, filho mais novo de Cronos, foi o único que não foi engolido pelo pai no nascimento. Cronos teve seis filhos com sua irmã Réa. Ele os engolia assim que nasciam. Quando Zeus nasceu, Réa o escondeu e entregou uma pedra enrolada em cueiro para Cronos. Cronos a engoliu sem perceber que estava engolindo uma pedra.

Zeus cresceu longe da mãe. Quando adulto, sorrateiramente, colocou uma erva na comida do pai, que o fez regurgitar todos os filhos que haviam sido engolidos. Estes já estavam também adultos e juntos lutaram contra o pai e tomaram seu poder.

Zeus não ficou com o poder todo para ele, assim como Cronos. Ele dividiu com seus irmãos, que o haviam ajudado na batalha. Hades recebeu o submundo ou mundo dos mortos e Netuno ficou com os oceanos. Apesar de não termos o totem, temos esta mudança de ordem social, onde a vontade do mais forte deixa de prevalecer e surgem leis que passam a determinam as regras de convivência.

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Jair Bastos

Jair Bastos

Psicanalista com foco no atendimento do jovem. Ajudo no controle da ansiedade e da síndrome de pânico. Consultório no Méier.

Jair Bastos - Psicanalista no Rio de Janeiro